terça-feira, 22 de janeiro de 2013

O "Bom Dia".


Bons dias.

Era assim que Machado de Assis começava muitas de suas crônicas, tendo como pressuposto que esse é o primeiro cuidado a se tomar ao ter contato com outrem, e que se o leitor não o retribui é "um grande malcriado, um grosseirão". São as palavras dele, se não acreditam em mim leiam com seus próprios olhos em:

A dita "boa educação" pode entrar em desuso como o modo de escrever machadiano? Ela faria falta? Isso faz diferença? 

Bem, na minha humilde opinião um "bom dia" faz muita diferença, podendo até mesmo mudar a vida das pessoas. 

E, de fato, um "bom dia" é mais importante do que parece. Coisas simples, mas vitais e indispensáveis, infelizmente passam assim despercebidas à vã filosofia de mentes corridas e corriqueiras preocupadas demais com grandes assuntos. O que é pequeno, mesmo que importante, vai ficando de lado, já que é fácil esquecer uma caneta ou perder um botão sem dar por eles até ser imprescindível anotar algo ou ir lavar a roupa suja. 

Um "bom dia" pode, por exemplo, ser a diferença entre um bom ou mau atendimento num estabelecimento comercial, se vier num pacote "sorriso + demonstração de boa vontade". Nesse contexto, na verdade, um reles "bom dia" pode ser traduzido como "ei, olha eu aqui, sou uma pessoa bacana que merece ser bem atendida, não por uma pessoa qualquer, mas por vossa mercê que é digna de um cumprimento cordial e sincero". Pode fazer o teste: garanto que quanto mais "bons dias" forem ditos melhor será a convivência com todos à volta.

Tolkien percebeu que esta mera expressão, "bom dia", pode ter diversas traduções. Ah, mas ele tinha mais do que um pé na linguística, isso não passaria despercebido ao autor de "The Hobbit".



"— Bom dia! — disse Bilbo sinceramente. O sol brilhava, e a grama estava muito verde. Mas Gandalf lançou-lhe um olhar por baixo de suas longas e espessas sobrancelhas, que se projetavam da sombra da aba do chapéu.
— O que você quer dizer com isso? — perguntou ele. — Está me desejando um bom dia, ou quer dizer que o dia está bom não importa que eu queira ou não, ou quer dizer que você se sente bem neste dia, ou que este é um dia para se estar bem?
— Tudo isso de uma vez — disse Bilbo. — É uma manhã muito agradável para fumar um cachimbo ao ar livre, além disso. Se você tiver um cachimbo com você, sente-se e tome um pouco do meu fumo! Não há pressa, temos o dia todo pela frente! — E então Bilbo se sentou numa cadeira à sua porta, cruzou as pernas e soprou um belo anel de fumaça cinzenta que se ergueu no ar sem se desmanchar e foi flutuando sobre a Colina.
— Muito bonito! — disse Gandalf. — Mas eu não tenho tempo para soprar anéis de fumaça esta manhã. Estou procurando alguém para participar de uma aventura que estou organizando, e está muito difícil achar alguém.
— Acho que sim, por estes lados! Nós somos gente simples e acomodada, e eu não gosto de aventuras. São desagradáveis e desconfortáveis! Fazem com que você se atrase para o jantar! Não consigo imaginar o que as pessoas vêem nelas — disse o nosso Sr. Bolseiro, colocando um polegar atrás dos suspensórios e soprando outro anel de fumaça ainda maior. Depois pegou sua correspondência matinal e começou a lê-la, fingindo não prestar mais atenção ao velho. Havia decidido que não era do tipo que o agradava e queria que ele fosse embora. Mas o velho não se mexeu. Ficou parado, apoiando-se no seu cajado, observando o hobbit sem dizer nada, até que Bilbo se sentiu meio embaraçado, e até um pouco contrariado.
— Bom dia! — disse ele finalmente. — Nós não queremos aventuras por aqui, obrigado! Você podia tentar além da Colina ou do outro lado do Água. — Com isso quis dizer que a conversa estava terminada.
— Você usa Bom Dia para um monte de coisas! — disse Gandalf. — Agora está querendo dizer que quer se livrar de mim e que o dia não ficará bom até que eu vá embora."
(Este é um trecho das páginas 4 e 5 de O Hobbit, leitura altamente recomendada, mais do que o filme cujo trecho foi lincado, embora entretenimento seja mais uma questão de gosto. Mas mesmo aos menos propensos a Fantasia este exemplo é útil aos fins reflexivos desta postagem.) 

Pensemos, quantas vezes não fomos dormir brigados com alguém próximo e um "bom dia" serviu para dizer "tá, vamos tentar de novo, eu me desculpo, você se desculpa e está tudo certo"? Ou quantas vezes em um ambiente de trabalho ele quis dizer "eu não te suporto, te acho incompetente, mas já que estamos aqui pra ser profissionais vamos logo ao que interessa"?

Um "bom dia" dito com carinho pode significar mais do que um "eu te amo, e vai ser sempre assim".

Essa é a graça das coisas simples e importantes, elas têm o significados que a elas atribuímos.


Boas noites!

2 comentários:

  1. Sempre odiei dar "bom dia", talvez por ser "um grande malcriado, um grosseirão". Ou pelo simples fato de nunca querer me aproximar de alguém, já temendo o fatídico dia em que discutiria com a pessoa por qualquer motivo que seja, pelo simples fato de sentir toda e qualquer palavra como se fosse a mais afiada das facas. Mas que um simples "bom dia" pode mudar vidas, ah, isso pode!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Rafael, foi justamente um desses fatídicos "bom dia" que me fez escrever este post. Desses que marcam o limiar da mudança, trancam a porta mostrando que a decisão tomada não tem mais volta; pois um "bom dia" pode, inclusive, ser a chave que deixa o passado às nossas costas para que sejamos livres pra encarar a vida de frente, dizendo a ela esse mesmo cumprimento vez ou outra.

      Fico feliz por você ter tido uma leitura agradável. Obrigada por comentar.

      Excluir